Ir para o conteúdo

PARTICIPA MARANHÃO

plataforma digital de participação popular do maranhão

ou

Acessos - comunidade

  • 149 comentários
  • 234736 acessos
 Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Diálogos Insurgentes traz Fernando de Morais para falar de suas biografias e fazer uma análise do atual contexto político-social

8 de Maio de 2019, 18:11 , por Maxwell Guerra Cunha Santos - 1Um comentário | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 155 vezes

Em 8/05/2019

“As Biografias que escrevi” é o tema da 11ª edição do Diálogos Insurgentes que ocorrerá em São Luís e em Imperatriz, respectivamente, nos dias 21 e 22 de maio de 2019, com a presença do jornalista Fernando de Morais. A discussão será em torno da aproximação da obra Olga e o contexto político-social atual. A expectativa é alcançar um total de 300 estudantes universitários, professores/as, pesquisadores, representantes de poder público e movimentos sociais, que contribuirão com o desenvolvimento do tema ao se integrarem na discussão proposta pelo evento. Em São Luís, o evento será realizado no Auditório do Palácio Henrique de La Rocque e, em Imperatriz, na UEMASul.

O Diálogos Insurgentes é uma ação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Participação Popular (SEDIHPOP) que visa ampliar o debate intersetorial e transversal de temas contemporâneos relacionados aos Direitos Humanos e que contribui para disseminar a cultura e educação em direitos humanos nos diversos espaços. O Diálogos também tem se constituído em uma estratégia de envolver academia, estudantes da educação básica, sociedade civil e poder público na reflexão sobre a realidade e formas de intervenção diante dos desafios para a garantia de direitos humanos.

“Nos últimos anos, buscamos qualificar o debate sobre assuntos contemporâneos e de orientação plural no que tange as pautas políticas, sociais e econômicas que implicam na maneira como se pensa os Direitos Humanos na sociedade brasileira de hoje. Diante da polaridade política que atravessamos é necessário estarmos abertos ao debate e disputar narrativas para construirmos um país de paz e de fato democrático”, destacou o secretário de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular, Francisco Gonçalves.

Sobre o autor

Fernando de Morais nasceu em Mariana, Minas Gerais, em 1946, e é jornalista. Trabalhou no Jornal da Tarde, na revista Veja e em várias outras publicações da imprensa brasileira. Recebeu três vezes o prêmio Esso e quatro vezes o prêmio Abril de jornalismo. Foi deputado e secretário da Cultura e da Educação do Estado de São Paulo. Atualmente, mantém o portal Nocaute que é um canal de notícias, entrevistas e reportagens curtas sobre política, cultura, economia e comportamento. O portal é mantido com recursos coletivos provenientes de doações.

Sua obra literária é constituída de biografias e reportagens. Entre suas publicações destacam-se: “Olga”, “Chatô, o Rei do Brasil” e “Corações sujos” que foram adaptados para o cinema.

Sobre o livro

O livro “Olga: a vida de Olga Benário Prestes, judia comunista entregue a Hitler pelo governo Vargas”, conta a história da alemã, Olga Benário, que desde a adolescência, no sentido contrário da sua família, era ligada ao movimento comunista. Durante sua trajetória política, Olga apresentou-se como uma liderança, assumindo protestos e cargos no Partido Comunista, funções que estavam distantes de serem exercidas por mulheres na época. Em decorrência do papel que exercia, Olga recebeu importantes missões, como a mobilização de outras nações para adotarem o Partido.

É com essa missão que Olga é enviada ao Brasil, na companhia de Luís Carlos Prestes, com o objetivo de iniciar revoluções contra governo autoritário e populista de Vargas. Casados, Olga e Prestes articulam uma “tomada de poder” contra o Governo Vargas, ação que fracassa e leva à perseguição dos “capitães da revolta”. Quando encontrados, o casal foi preso e mandado para presídios diferentes, momento em que Olga descobre que se encontrava grávida.

O Governo Vagas encontra uma maneira de penalizar Prestes e Olga através do fato de que Olga era judia e alemã, condição que permite sua deportação para Alemanha de Hitler, onde é presa em um campo de concentração e tem a sua filha Anitta Leocádia Prestes. No campo de concentração, Olga é torturada, forçada a trabalhar e assassinada em câmara de gás.

As inscrições são limitadas e podem ser feitas na plataforma Participa MA: 

🔸 Inscrições para o evento em São Luís: http://bit.ly/DialogosSlz

🔹 Inscrições para o evento em Imperatriz: http://bit.ly/DialogosItz

 

 

Fonte: ASCOM/SEDIHPOP

 


1Um comentário

Enviar um comentário

* campo é obrigatório

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.