Ir para o conteúdo

PARTICIPA MARANHÃO

plataforma digital de participação popular do maranhão

ou

Acessos - comunidade

  • 158 comentários
  • 253949 acessos
 Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

XV Diálogos Insurgentes: professor Boaventura de Sousa Santos convida participantes a repensar o lugar dos Direitos Humanos na contemporaneidade

20 de Novembro de 2019, 20:00 , por Coordenação PARTICIPA MA - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 31 vezes

Boaventura dialogos insurgentes materia

 

Na noite da última segunda-feira (18.11), no Hotel Blue Tree Towers, o professor Boaventura de Sousa Santos iniciou sua fala no 15º “Diálogos Insurgentes” (promovido pela Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular – SEDIHPOP, com apoio nesta edição da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA e da Unidade de Ensino Dom Bosco – UNDB) dedicando sua palestra ao indígena Paulo Paulino Guajajara, que foi assassinado por madeireiros no dia 1º de novembro.

 

Com a pergunta “como os direitos humanos podem se efetivar num modelo político e social tão desigual quanto o estabelecido pelo capitalismo?”, o autor demonstrou como os direitos sociais foram sendo conquistados em paralelo com interesses capitalistas. Disse que vem refletindo sobre a universalidade dos direitos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, pois andando pelo mundo começou a perceber a Declaração como resultado do trabalho de um grupo situado em países privilegiados que ficaram chocados com os crimes de guerra. Assim, sugere a necessidade de revisão do documento, que deve contemplar todas as culturas e todos os continentes.

 

Com mediação realizada pela professora Maristela Andrade (UFMA), a palestra do professor Boaventura recuperou o contexto histórico em que surgiu a Declaração Universal dos Direitos Humanos e refletiu sobre sua efetividade num mundo capitalista. O autor demonstrou que é preciso renomear e repensar os direitos humanos: qual a humanidade que os direitos humanos protegem e defendem?

 

Repensar o lugar a partir do qual se pensa e se defende os Direitos Humanos: tal o desafio que se coloca agora aos defensores de DH.


0sem comentários ainda

Enviar um comentário

* campo é obrigatório

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.